Michel Augusto

Blog

20 impressões sobre música em Lutero escritas por Tiago Cavaco

 20 impressões sobre música em Lutero escritas por Tiago Cavaco

A obra de Tiago Cavaco traz preciosidades teológicas para a cristandade protestante e os seus reflexos no entendimento e prática no contexto do culto, liturgia, pregação e música, ou seja, trata dos desdobramentos bíblico-doutrinários para a vida do povo, que agora tem voz para cantar uma fez descomplicada. Resolvi separar 20 impressões da pesquisa em Lutero feita pelo Cavaco. Senão, vejamos:

  1. A música na Idade Média era um reflexo de uma teologia inacessível ao povo, ou seja, tanto a pregação quanto a música não eram compreensíveis;
  2. A música antes da reforma era complicada, pois a teologia era complicada;
  3. O culto se torna descomplicado, tornando a música mais claro teologicamente;
  4. Com a reforma, a Bíblia vem para as mãos do povo e a pregação e a música se tornam acessíveis. Sendo assim, a música passa a ter a missão de explicar a Bíblia;
  5. A música é provavelmente o resultado mais prático e convincente de que o protestantismo tem razões para existir;
  6. A música é uma das expressões mais reveladoras da razão da reforma, isto é, na medida em que a Bíblia se torna aberta, a música se torna a forma de expressar isso;
  7. A música é uma simplificação da mensagem bíblica;
  8. O que está na mente tem de estar na melodia;
  9. Cantar era uma arma educativa;
  10. Se a adoração é a melhor educação, é normal que respondamos com a música;
  11. A música é o melhor consolo para a mente triste;
  12. A expressão musical era uma resposta àquilo que era recebido pela pregação da Palavra;
  13. A resposta que as pessoas dão à palavra é flagrantemente avaliada no que elas cantam;
  14. Se é esperado que se compreenda o que diz o pastor, é esperado que se compreenda o que diz o professor. Se é esperado que o pastor pregue, é esperado que o professor ensine. Há mais canto no protestantismo porque o canto é uma via de transmissão entre púlpito e escola;
  15. Quando o cristão canta, ele demonstra com simplicidade o que há de mais profundo na sua fé;
  16. O canto é uma resposta à palavra, ou seja, respondemos com nossas palavras o que a palavra provocou em nós;
  17. Quando adoramos, dizemos o que cremos;
  18. Quando cantamos, contamos a nossa história: Éramos cegos, e agora vemos; miseráveis, mas Cristo nos resgatou; morávamos no abismo e agora terei uma casa celeste;
  19. As letras mordem e deixam marcas naqueles que se expõem a elas;
  20. O barulho protestante vem da centralidade que é dada a Cristo. Com a Bíblia aberta, é difícil ter Jesus nublado; logo, existe uma multidão de sons para dar sequência a esse sentido cristológico de todas as coisas. A música é no protestantismo uma rendição a essa boca cósmica que nos engole e que é a salvação em Cristo revelado nas Escrituras.

  A música como palavra cantada facilita o entendimento da revelação de Deus ao seu povo,  e pode e deve ser utilizada como instrumento de resposta de um povo que não era povo, que agora canta aquilo que entende, através da Bíblia que está aberta.

Adaptado por Michel Augusto

CAVACO, Tiago. Cuidado com o Alemão. Três dentadas que Martinho Lutero dá à nossa época. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2017.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *